sábado, 5 de dezembro de 2009

Flores murchas


"Mas tantos defeitos tenho. Sou inquieta, ciumenta, áspera, desesperançosa. Embora amor dentro de mim eu tenha... Só que não sei usar amor: às vezes parecem farpas..."
(Clarice Lispector)


Ela se encontrava em plena crise existencial. Várias coisas passavam por sua cabeça, mas ela sabia que tinha que ser forte para não deixar que pensamentos obscuros a dominassem e conseguissem fazê-la desistir. Isso não seria a solução, ou talvez até seria, mas não estaria enfrentando seus problemas, somente fugindo dos mesmos.
Problemas, quais seriam eles? Não passava fome, tinha família, casa, estudos, amigos e saúde. Então não havia problemas. Não pra quem está de fora da situação. Sua vida sempre foi muito conturbada, personalidade forte, humor instável, crises, infância complicada, adolescência de extrema rebeldia, falta de compreensão, falta de carinho. A vida inteira precisou lutar sozinha contra seus maiores fantasmas, não foi fácil para ela.
Agora com lágrimas nos olhos se lembra de tudo que enfrentou, do quanto foi forte, mas do quanto se achava fraca para continuar. Desistir, talvez fosse o melhor caminho. Não era uma vitoriosa, talvez sempre fosse uma perdedora, talvez nunca conseguisse nada na vida e todos os erros que cometeu não a ajudaram, não se livrou deles a tempo e pra sempre eles vão persegui-lá.
Chorava, desejava alcançar uma meta, mas tinha medo de não conseguir. O que faria se não conseguisse? Mais uma derrota, fraca, sem vida, sem estímulos. Socos e pontapés, acreditava que tinha se acostumado com eles e que depois passava, mas não, se sentia cansada, todo seu vazio interior e sua dor a consumiam. E aos poucos seus sonhos murchavam, como as últimas flores que recebeu, fazia tanto tempo que não recebia flores.
Tentava pensar em todos aqueles amigos que a faziam sorrir, mas nem nisso acreditava mais, foram tantos que a decepcionaram, por que agora seria diferente?
Drástica e pessimista, quem sabe ela estaria sendo isso, mas a verdade é que nem ela sabia o que estava acontecendo, nem o porquê, e não sabia se conseguiria se livrar disso tudo, mais uma vez...


"Chorar por tudo que se perdeu, por tudo que apenas ameaçou e não chegou a ser, pelo que perdi de mim, pelo ontem morto, pelo hoje sujo, pelo amanhã que não existe, pelo muito que amei e não me amaram, pelo que tentei ser correto e não foram comigo. Meu coração sangra com uma dor que não consigo comunicar a ninguém, recuso todos os toques e ignoro todas tentativas de aproximação. Tenho vergonha de gritar que esta dor é só minha, de pedir que me deixem em paz e só com ela, como um cão com seu osso."
(Caio F.)

9 comentários:

M.G. disse...

Neste lugar você aparece como alguém que lhe dá as mesmas coisas, não faz nada para trazer a mudança para promover sua situação. Sua pergunta pode ser relacionada a uma pessoa que tem vontade, que não toma decisões por si mesmo, por isso sofre as decepções do passado. É claro que a saída, então você tem que assumir que as coisas correm como nós podemos, sem nenhuma mudança ou evolução destes.

É isso ai amiguinha! Causa e 'quem sabe' solução dessa coisa toda sua... Digo 'quem sabe' porque muitas vezes a gente não sabe o que fazer diante de atitudes, palavras, gestos. Ficamos paradas, imóveis, iludidas e risonhas. Mas nunca temos certeza de nada! Então se for pra ser (dessa vez ou de outra), que seja doce ...
Ah, e quanto à sua aparente fraqueza, só te digo que és capaz de mover montanhas, descubra isso em você amada.. descubra!

Marcelo Mayer disse...

completar pelos próprios méritos!!!!!!

Marcelo Mayer disse...

ps
que bom que voltou

primaverasdesetembro disse...

me senti um pouco por aqui.existe "um pouco bem por aqui"?pq se existe, me encontrei.

:)

Flores

Jaya disse...

Ela é muita gente. Tem pedaços de mim, inclusive.

E, Paula, vai ficar tudo bem. Aprendi que sempre fica.

Te desejo sorte no teu janeiro. [A OAB me aguarda na mesma época].

Um beijo.

PR disse...

talvez o maior problema de todos era o de ter raiva de si mesma.
obrigado pela visita lá no meu cantinho. e desculpa pela demora com a resposta.
fique bem, grande abraço.

Silvia Caroline disse...

é me indentifiquei bastante com o seu texto, tenho me sentido meio em crise comigo, mas sei que vai passar e acho bom essas coisas acontecerem para tentarmos colocar em ordem as coisas.

É preciso ter coragem!

Vai melhorar,vc vai ver!

Força!

Coração Alado disse...

ei, larga o osso!

se você não consegue mesmo aprender com os erros do passado, enxergá-los como algo que a fez se transformar numa pessoa melhor agora, esqueça-os. eles não servem então pra mais nada.
porque as coisas ruins só nos servem para entendermos como chegamos às coisas boas.

confie em você. no bem que você (e só você) é capaz de fazer a si mesma.

um beijo, com carinho!

O Profeta disse...

À volta desta fogueira
Aquecem os corações, almas penadas
À volta desta fogueira ninguém foje
Todos contam lendas de pessoas encantadas

Todos rezam, todos pedem
Que desça o céu à terra
Todos falam de um anjo
Que travou uma santa guerra

Manto de água, mundo verde
Manhãs de sol posto no céu
Às vezes a luz perde-se na noite
À vezes um coração veste um negro véu


Mágico beijo