segunda-feira, 21 de setembro de 2009

Evolução ou revolução?

"Temos nosso lado otimista, positivo, sonhador e temos o nosso lado pessimista, negativo, incrédulo. Cabe a você e a mais ninguém decidir qual dos dois terá o comando de sua vida." (Eduardo Tevah)

Ainda com os olhos lacrimejando, após assistir a palestra de Eduardo Tevah, os Diferenciais das Pessoas de Sucesso - por favor, se puderem e quiserem, assistam - comecei a refletir um pouco sobre a minha vida ou a falta dela.
Por muito tempo acreditei no viver a vida sem se importar com as consequências, eram noites afora, as vezes manhãs, ou até mesmo dias. Estudei a vida inteira nas melhores escolas, tive sempre tudo do bom e do melhor e talvez por isso, nunca precisei lutar por nada. Estagnada.
Fui uma adolescente rebelde, não estudava, não me importava com nada, queria só sair, beber, rir, etc, etc, etc... e ser feliz, que era como eu sempre descrevia toda minha inconsequência. Era bem adepta da ideologia: 'sexo, drogas e rock in Roll'! Não, ao contrário do que parece, eu não me arrependo, é bem o inverso disso, dos meus 15 aos 21 anos sempre fiz tudo o que eu quis e garanto, nesses seis anos vivi mais que muita gente viveu em cinquenta anos. Além do mais, tudo isso me deu experiência para ser a pessoa melhor que sou hoje e a que serei no futuro - espero que cada vez melhor -, me fez amadurecer e enxergar a vida por seus vários ângulos. Porém, se hoje eu pudesse voltar atrás sabendo que não preciso passar por tudo o que passei para ter adquirido a experiência que adquiri, eu voltaria, não faria tudo de novo, não faria porque hoje eu sei. Não quero dizer que virei santa, que parei de beber, de sair e curtir a vida, mas que parei com os excessos desnecessários, que me atrapalhavam e que muitas vezes me fizeram regredir.

"(...)a velha rotina já não lhe parecia suficiente. Aos poucos, deu-se conta de que aquela boa vida havia perdido a graça. Não sentia mais satisfação em ficar no bar com os amigos conversando as mesmas coisas de sempre, as baladas tinham se tornado repetitivas e nem mesmo ficar paquerando garotos diferentes o tempo todo parecia tão fascinante." (Roberto Shinyashiki)

Beirando meus 22 anos e levando a sério, finalmente, o que meus pais sempre perguntam: "Paula, o que você vai fazer da vida?", posso dizer que estou e continuarei correndo atrás do meu sonho. Como Tevah diz em sua palestra, quero ser uma pessoa diamante e dar o melhor de mim, o mundo está cheio de pessoas comuns.

Após trancar o curso superior de Direito no 7º período - Oh! Você exclamou, eu sei, já ouvi todo o blábláblá que você gostaria de me dizer também, várias e várias vezes -, estou batalhando atrás do curso que sempre desejei - Psicologia -, mas pela minha imaturidade, não tinha certeza disso antigamente. Pela primeira vez na vida estou tendo gosto de estudar, pois quero passar na federal, estou me dedicando a algo de verdade.
Toda essa revolução (ou evolução) já tinha acontecido comigo, mas hoje, após ver o DVD tive vontade de escrever sobre isso. Além do que o acrescentei outras coisas em minha mente, Eduardo diz que somos feitos para sermos críticos, que ninguém mais sabe elogiar ou sabe o peso que um elogio tem, que uma palavra de carinho tem. Realmente, eu mesma sou uma pessoa extremamente grossa, simpatia passa longe do meu ponto forte e ser carinhosa com as pessoas é algo quase impossível para mim. Como exemplo tenho meus relacionamentos 'amorosos'. A maioria deles acabam da mesma forma e eu sempre me pergunto: Por que nada dá certo? Por que comigo é sempre assim? Qual meu defeito? Meus amigos têm sempre uma resposta em comum: "Paula, você já viu como tratava o cara?". Claro que muitos deles eram uns babacas, mas com outros eu fui uma babaca. E com amigos também, ou até mesmo conhecidos e desconhecidos. Cabe a mim mudar isso.
Sei que perdi alguns anos da minha vida, mas me serviu de experiência e acredito que resolvi mudar a tempo, subir na escada da vida, dar o melhor de mim e ser o melhor para as pessoas e ajudar o próximo sempre possível.

"A vitória virá, com certeza. Mas virá antes para aqueles que decidirem agir e souberem persistir na empreitada." (Roberto Shinyashiki)

11 comentários:

Coração Alado disse...

é muito bom reconhecer onde erramos e tentar acertar daqui pra frente. aprender é o essencial da vida.
boa sorte na nova carreira!
foi muito bom pra mim ler isso hoje.
um beijo!!

as viciadas disse...

Fui uma adolescente rebelde, não estudava, não me importava com nada, queria só sair, beber, rir, etc, etc, etc... e ser feliz, que era como eu sempre descrevia toda minha inconsequência. Era bem adepta da ideologia: 'sexo, drogas e rock in Roll'


FUI EU MELDELS! \o/

Beijoooones, L.

Marcelo Mayer disse...

fico feliz em ter gostado de meu blog! mesmo! estou seguindo o céu, se me permite. e muito gostoso de ler seus textos. com calmaria.

prazer, marcelo

bjs

R.Vinicius disse...

Paula Psicologia tem laço a ti; nota-se. Quando me disse que havia deixado o curso de Direito (achei estranho), pois não há laço nítido, como a Psicologia tem (contigo). Na forma como escreve, o que escreve, nota-se que há em ti. Lute, continue, pois como (eu) está no inicio do caminho, e há muito pela frente. Abraço.

Jaya disse...

Você diz ter perdido alguns anos, e eu discordo. Porque, Paula, tu é o hoje, por conta do que passou. Não foi isso o dito?

Eu fico com orgulho quando vejo pessoas que trancam as faculdades por descobrir o verdadeiro sonho, no meio do caminho. Não aconteceu comigo, então finjo que acredito que meu sonho é esse mesmo, por não saber qual é.

Que todo o lado positivo comande tua estrada, moça. Eu aposto em você.

Um beijo estalado.

Jéssica, a antropofágica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jéssica, a antropofágica disse...

Ah, meu amor, e não é que essa fase chegou para mim também? Aquelas coisa que antes eu gostava já não me atraem mais...ainda bem, afirmo com veemência.
Agora, só me falta coragem para largar o Direito (sim, até nisso somos parecidas!rs) e fazer Jornalismo.
;)
Beijos,amor e muito sucesso nesse novo caminho!

R.Vinicius disse...

Oi. Como estás? Abraço.

Fernanda disse...

Eis um exemplo do que chamamos de "a jornada da alma".

Parabéns, Paulinha...

Esse é um momento importante nesse processo...
a "Individuação"... o amadurecimento do pensamento, do sentimento, da sensação, da intuição...
enfim...

=D


Um abraço!

EFS*** disse...

Oi minha querida... gostei do seu texto, mesmo que ele transmita um certo grau de "arrepdendimento"... não sei...
ouvi uma frase outro dia "viva rápido, morra cedo", nao tenho planos para os meus 50,60 anos, por isso quero aproveitar bastante...
dá pra levar um curso a sério, um relacionamento a serio, e noitadas também a sério, claro! ^^

mas te desejo todo o sucesso na Federal e que, depois da Psicologia, se der tempo, termine sua habilitação em direito... vai te ajudar pra caramba.

Eu to lutando aqui no DIreito também... acho que vou chegar lá no fim... tomara!

Beijos, muitos beijos!

M.G. disse...

Minha linda está seguindo o caminho lindo da vida conhecido como 'o seu caminho' !
Achei linda sua postagem, linda mesmo. Eu sabia que atrás de toda essa capa existia uma menina mulher doce e forte, que está de braços abertos pra um mundo novo, pessoas novas, novos conhecimentos, novas batalhas.
Estou aqui pro que der e vier!
Nada foi desperdiçado florzinha, nada. Foram só pedras que te ajudaram a contruir essa pessoa extremamente forte que és hoje.
Fica bem, fica firme, fica feliz!

Um enorme beijo de quem te ama e vê uma simpatiazinha nascendo bem no fundo de um coração maravilhoso!